Frisados Parisienses - para Iniciados

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Frisados Parisienses - para Iniciados

Mensagem por Davi Hemerly em Sex Mar 01, 2013 9:41 am

Frisados Parisienses - para Iniciados

A criação de Canários Frisados Parisienses é apaixonante para todos aqueles que têm a oportunidade de avaliar a beleza que eles podem proporcionar, levando os seus aficionados cada vez mais a seleccionarem estes belos pássaros, na busca contínua de um canário que esteja o mais próximo possível da perfeição.
Para aqueles que pretendem iniciar na criação destes canários, há necessidade primordial de alguns conhecimentos básicos em canaricultura, para depois iniciarem a criação dos Frisados Parisienses, pois são pássaros que apresentam peculiaridades próprias de criação, daí serem um dos canários mais valorizados no mundo dos canaricultores.

Quanto às cores, os princípios básicos para os acasalamentos dos frisados são os mesmos utilizados para os canários de cor, devendo ser feito sempre utilizando uma ave de cor forte com uma de cor fraca. A formação de casais com dois canários intensos leva à diminuição do tamanho das penas e como consequência à diminuição do tamanho dos pássaros. Pela mesma razão, a utilização de dois nevados, tem tendência a aumentar o comprimento das penas, proporcionado a evolução de canários com penas muito longas e frágeis, apresentando uma plumagem imperfeita, principalmente com fachos caídos de um lado ou dos dois.

Os canários Frisados Parisienses estão classificados quanto às cores em três categorias:

- Intensos - que podem ser verdes, amarelos, canelas e mesclados;
- Nevados - que podem ser verdes, amarelos, canelas e mesclados;
- Fundo branco - que podem ser azul, mesclado de azul e branco, canela prateado e brancos.

Para os canários frisados, a cor não é o factor mais importante, embora os amarelos, brancos e mesclados, sejam mais comerciais que os verdes e azuis, mas o mais importante na aquisição de um espécime é verificar se ele está dentro dos padrões exigidos para comporem o padrão racial.
Os canários verdes embora sejam menos comerciais, são indispensáveis para a criação, pois geram filhotes grandes e mais resistentes. Hoje com a miscigenação dos cruzamentos, podemos tirar de um canário verde, os amarelos, os verdes, os mesclados e os canelas e ainda se acasalados com brancos, pode-se conseguir os azuis, mesclados de azul e branco e os brancos.

Os acasalamentos para se tirar canários brancos, com maior freqüência é feito entre brancos e amarelos, mas é um método que tem tendência de levar à diminuição do tamanho das aves e torná-las mais fracas. A melhor forma de obter canários brancos grandes e resistentes é através do acasalamento entre um pássaro branco e um mesclado de amarelo e verde. Neste cruzamento pode-se obter filhotes brancos, amarelos, verdes, mesclados de amarelos e verdes, azuis e mesclados de azul e branco.
Para obtenção de canários azuis e seus mesclados o acasalamento deverá ser feito entre uma ave verde e uma branca ou mescladas de azul e branca, podendo nestas hipóteses de cruzamentos conseguir exemplares brancos. Existem outras hipóteses de acasalamentos que podem ser feitas, e que cada iniciante ira se familiarizando com o evoluir de sua criação.
Indicaremos aqui alguns factores importantes na escolha de um bom canário frisado parisiense:

1 - Tamanho – deve ter no mínimo 18 cm de comprimento do bico à cauda, podendo atingir 23 centímetros nos melhores exemplares.

2 - Plumagem – deve ser sedosa, abundante mas não deve ser em excesso.

3 - Cabeça – grande, com frisos em abundância, normalmente assimétricos, podendo ser em forma de capacete.

4 – Capacete ou capucho - mas muitos criadores valorizam mais os canários que apresentem o capucho ou
capacete, onde as penas da cabeça devem estar viradas para frente desde a nuca até próximo ao bico.

5 - Gola, formado por penas frisadas que circundam o pescoço, apresentando todas elas voltadas para a cabeça, formando um nítido colar.

6 - Suíças - são penas que nascem na face, sob os olhos, e se dirigem para a gola.

7 - Manto - constituído por penas que nascem formando uma linha longitudinal no centro do dorso, caem simetricamente sobre as asas e dorso.
Deve-se evitar os mantos assimétricos.

8 - Bouquet - penas que formam uma linha longitudinal no centro do dorso, caem simetricamente sobre asas e dorso.

9 - Peito, formado por penas que convergem para o externo formando um cesto.

10 - Ventre - penas que se abrem do centro para os lados ou para cima, acompanhando as fissuras do peito.

11 - Fachos (Aletas) - penas que nascem sob as asas, envolvendo-as, dirigindo-se para a cabeça, devendo, ambos os lados serem simétricos e são responsáveis por parte da beleza destes canários.

12 - Olivas - penas que nascem logo após a cloaca e engrossam o início da cauda.

13 - Chorões - são penas que nascem na parte superior da cauda, caindo para ambos os lados, devem ser longos e em número aproximado de quatro para cada lado. Somente aparecem em canários que apresentem óptima performance.

14 - Asas - devem ser longas, assentadas sobre o dorso e não devem ser cruzadas.

15 - Cauda - deve ser longa, larga e sua extremidade deve estar alinhada.

16 - Pernas - fortes, com coxas cobertas de penas, de preferência frisadas, canelas e dedos fortes. Unhas devem ser em forma de saca-rolha e compridas. Nos canários do primeiro ano de vida estas unhas retorcidas ainda não são muito pronunciadas, com a idade elas tornam-se mais evidenciadas.


17 - Posição - deve se apresentar em posição de aproximadamente 60º em relação ao poleiro.
Estes pássaros têm uma melhor apresentação em seu visual geral, que os espécimes que se apresentam agachados.


Deve-se rejeitar sistematicamente os pássaros que apresentem o dedo posterior sem capacidade de prender-se aos poleiros. São conhecidos entres os criadores, como canários com os pés escorridos. Isto é um factor genético que pode ser transmitido para futuras gerações. Embora muitos criadores de frisados dizem ser problema do ninho, do poleiro, da colocação da anilha, mas há que duvidar disso tudo...
Um dos pontos mais difíceis para o iniciante é a aquisição de bons exemplares para reprodução, que devem ter como ponto principal uma saúde perfeita, vindo de criadores onde sabidamente não existam pássaros doentes. Não basta que a ave escolhida esteja aparentemente sadia, haja vista, que muitas vezes as doenças podem permanecer em estado de incubação por longos períodos, esperando apenas uma oportunidade de diminuição de resistência da ave, para se instalar e este momento pode ser o stress causado pelo transporte feito por você mesmo, com a mudança de ambiente de um criador para outro.

Não compre canários de pequeno porte, por que o vendedor diz que é irmão, filho ou descendente próximo de um campeão. Se é tão bom como um campeão, porque vender o pequeno e não o campeão? Esperar que um pássaro pequeno e sem formas bem definidas, possa gerar filhotes grandes e perfeitos é pura ilusão, significa investir sem possibilidade de retorno, com perda de tempo e até mesmo desistir de continuar a criar, face as frustrações vividas por muitos que assim o fizeram.

A partir de 2005 aqui no Brasil, está previsto para serem julgados separadamente, os canários Frisados Parisienses e os Gigantes Italianos. Embora existam criadores que fazem o cruzamento entres estes canários, na tentativa de aumentar o tamanho de seus filhotes, o que poderá leva-los à desclassificação nos julgamentos em seus próprios clubes, bem como no Campeonato Brasileiro, por não apresentarem as características morfológicas bem definidas para cada uma das duas raças.

A criação de frisados geralmente é bem sucedida, quando o criador faz uso de ama-seca, em especial quando os canários são bem seleccionados e grandes, embora alguns criadores prefiram criar nos próprios frisados, sem a utilização de amas. No caso de usar ama-seca, deve-se utilizar canários que tenha bastante disposição para tratar dos filhotes, sendo preferidos os chamados canários belga comum, vermelhos, gloster, asa-cinza, que são excelentes tratadores.

As amas devem ser saudáveis, bem alimentadas e criar dois a três filhotes de frisado por ninhada e fazerem no máximo três posturas no mesmo ano, não devendo ter mais de três anos de idade, pois começam a ficar cansadas, diminuindo assim a capacidade de alimentar os filhotes.
As gaiolas para as amas-secas podem ser de qualquer modelo existente no mercado, desde que tenha uma divisória no meio, para separar o casal de ama, logo que os filhotes frisados saiam do ninho, pois muitas fêmeas arrancam as penas dos filhotes para fazer o novo ninho. O poleiro do lado que ficarem os filhotes deverá estar a mais ou menos cinco centímetros acima da grade de arame do fundo da gaiola, para eles aprenderem a subir o mais rápido possível, evitando assim, deformações nos pés, e a uma distância de seis a sete centímetros da divisória, para evitar os arrancamento de penas do peito pela ama.

Já para os frisados parisienses há necessidade de gaiolas maiores, apresentando as seguintes dimensões: - comprimento 70 cm, altura 45 cm e largura 30 cm. O ninho deverá ficar de preferência na mesma altura que os poleiros, que são em número de dois e a uma distância máxima entre um e outro de vinte centímetros, para facilitar o acasalamento, pois quando a fêmea frisada chama o macho, ele deve estar próximo a ela, haja vista, que ele é um canário lento, demorando para efectuar a cópula, fazendo com que a canária muitas vezes desista de se acasalar, gerando assim muitos ovos brancos (sem embriões dentro).

Os ninhos para as frisadas devem ser de plástico de tamanho normal, iguais aos existentes no mercado, que são utilizados para os canários de cor ou para as amas, que devem ser forrados com pano, carpete ou papel descartável. No caso de utilizar carpete eles devem ser submetidos a uma pequena chama de fogo para queimar possíveis fios de carpete soltos que podem enroscar nos dedos dos filhotes cortando-os, fazendo com que eles fiquem sem dedos.

Os cuidados básicos de higiene são os mesmos empregados por todos os canaricultores, tais como: limpeza diária de gaiolas e instalações, desinfecções gerais, limpeza e desinfecção de bebedouros, comedouros, ninhos e poleiros, empregando sempre produtos biodegradáveis e que não sejam capazes de intoxicarem os canários, especialmente os filhotes, que são mais sensíveis.
Pode-se utilizar a amônia quaternária como desinfectante, pois no comércio existem diversos produtos com esta finalidade, com baixo teor tóxico e de baixo poder de corrosão para as gaiolas e prateleiras.
A alimentação poderá ser composta de papa balanceada para canários, podendo ser adquiridas em casas da especialidade.

Somado à papa balanceada deverá ser oferecido também, sementes diversas, como alpiste, colza, niger, nabão, aveia, painço, linhaça, pirila, que devem estar isentas de pó e receber tratamento anti-fúngico e ainda verduras como almeirão, chicória, couve e acelga. Tomar sempre cuidado com a origem destes produtos, por causa dos agrotóxicos que podem trazer consequências desastrosas para a criação.
Para cada casal de frisado deverá ser reservado de três a quatro casais de amas- -seca, por que há necessidade de coincidir o período de postura da frisada com uma das amas. Cada ama ficará ocupada por treze a catorze dias incubando os ovos e mais trinta e cinco dias no mínimo alimentando os filhotes.
Deve-se fazer selecção e a preparação dos casais e das amas com aplicação de tratamento igual tanto aos reprodutores como às amas.
Aos frisados, deve-se ainda cortar as unhas e fazer um corte das penas ao redor da cloaca, para facilitar a fecundação.

Os casais de frisados devem ser formados com machos do segundo ano de vida, pois geralmente no primeiro ano, são poucos os que são capazes de encher os ovos, já as fêmeas podem ser do primeiro ano de vida, pois efectuam boas posturas.

Com frisados de dois anos ou mais de vida é possível fazer bigamia, utilizando-se um macho para duas ou até três fêmeas, que devem ficar em gaiolas separadas e o macho é que será passado em cada uma das fêmeas. Esta prática não é recomendada para criadores principiantes, pois poderá levar ao fracasso da experiência se não for bem conduzida. O ideal é que se formem casais fixos para toda a temporada de criação.
Esperamos que nossas palavras sirvam como orientação básica e estímulo para àqueles que pretendem iniciar nesta deslumbrante tarefa de criar uma das mais belas mutações do canário ancestral europeu ( serinus canarius).

Estaremos sempre à disposição dos criadores e dos iniciantes, para quaisquer esclarecimentos sobre a canaricultura frisada parisiense, resguardando sempre nossos limites de conhecimento sobre estes canários.
Fonte:http://clientes.netvisao.pt/nv065800/


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]Dicas Importantes:
- Clique no botão [Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]para escolher a melhor Resposta.
- Respeite as [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] e conheça as [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- Como abir um [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- Curta a nossa página no Facebook
- Não peça suporte por MP

Davi Hemerly
Administrador
Administrador

Masculino
Sub-Nick : K2
Quantos pássaros você cria? : 2
Mensagens : 9779
Reputação : 868
Idade : 24
Data de inscrição : 04/09/2012
Localização : Vitória ES

Ver perfil do usuário http://www.nacaodospassaros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Frisados Parisienses - para Iniciados

Mensagem por NDP BOT em Sab Mar 02, 2013 8:47 am

Frisado Parisiense, outro belo canário de porte, muito bom o artigo.
Abraço.

NDP BOT
Criador nível 3
Criador nível 3

Feminino
Mensagens : 532
Reputação : 17
Idade : 25
Data de inscrição : 01/11/2012

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum