Reflita Sobre a Ideia dos Bons Propósitos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Reflita Sobre a Ideia dos Bons Propósitos

Mensagem por Reryson Colares em Dom Dez 23, 2012 2:09 pm

Amigos do Ndp, peço por favor que leiam este texto, é perfeito e fala sobre nossa verdadeira situação.

Reflita sobre a ideia dos bons propósitos e instrumentos errados.

A Constituição Federal garante aos brasileiros e às futuras gerações um meio-ambiente equilibrado. O conceito de meio-ambiente equilibrado varia, mas o ponto central deve ser alicerçado sobre valores como o pluralismo, a universalidade e a biodiversidade.

Ao longo dos anos, de 1988 para cá, construiu-se uma selva de normas, com a culpa de todos, cidadãos, Governos, ONGs, IBAMA.

Pela nossa Constituição Federal a União, os Estados-membros e os Municípios podem legislar sobre fauna e flora.

As competências são concorrentes.

A União só deve, como regra, editar normas gerais. Normas sobre como produzir normas. Esse papel é do Congresso Nacional. E o veículo apropriado seria a lei complementar. Esta lei complementar seria nacional e não simplesmente federal. Ou seja, seria de observância obrigatória para a Administração Federal, Estadual e Municipal.

Com base nela teríamos de ter leis federais, leis estaduais e leis municipais. Não é uma questão de hierarquia de leis, mas de competência. A competência é concorrente. A União pode (deve) editar normas gerais.

Isto significa que cada Estado, de acordo com a Constituição Federal pode (deve) editar leis ordinárias sobre fauna e flora. E a União não deve invadir a competência dos Estados.

De um lado, isto é liberdade garantida pela Constituição Federal. De outro é repartição de competências. Mas também é um risco.

O IBAMA, o Instituto Chico Mendes e seja lá quem for, embora tenham uma nobilíssima e necessária função, não são legisladores. Muito menos legisladores nacionais.

Assim sendo, o Estado de Minas Gerais (com o mono-carvoeiro de Caratinga) não é obrigado a obedecer uma lei federal sobre o mono-carvoeiro. Por exemplo. Mas deve obedecer a uma lei nacional.

"Tomemos o caso da Arara-azul-pequena, cujo limite norte parece ter

sido o Estado do Paraná (Anodorhyncus glaucus). Esta presumidamente

extinta. Isto aconteceu no século 19 e não há indícios sérios de que o

tráfico internacional de espécies tenha concorrido para a extinção da

A. glaucus. Mas há especulações sobre a pecuária extensiva e o impacto

ambiental sobre a única espécie de coco da qual a A. glaucus se

alimentava, o butiá. Resultado: já não há avistamentos confirmados de

A. glaucus e o próprio butiá específico está quase extinto no Sul do país.


Poderíamos dizer: mas isto ocorreu no século XIX. Hoje isto não ocorreria.


Ocorre que paralelamente o periquito-australiano foi intensivamente

reproduzido e hoje é uma ave abundante em cativeiro, com imensa

variabilidade genética. Mesmo que empiricamente e com erros, o

Melopsittacus undulatus está à salvo e a A. glaucus não.


Poderíamos dizer: isto aconteceu com aves de biomas diferentes. As

peculiaridades do canyon do Paraná e do deserto australiano não se

confundem.


Um irmão australiano, o Psephotus pulcherrimus, de mesmo porte,

chamado Periquito do Paraíso, está oficialmente extinto desde 1927.

Pecuária na aridez australiana, secas contínuas, dois anos seguidos de

incêndios, a introdução de gatos e abate ilegal levaram o Psephotus à

extinção.


Ele tinha a mesma dieta do hoje comum periquito-australiano. Só que

jamais foi criado intensivamente." (Dr. Fernando)


Paixões de lado (eu mesmo não crio mais pássaros), diante do risco concreto de extinção de espécies, qual é a responsabilidade da União, dos Estados e dos Municípios? Se é dever do Estado manter um meio-ambiente equilibrado, quando desaparece uma espécie, quem pagará por isto?

O Estado pode salvar fauna e flora objetivamente? Não falo de declarações, OSCIP, OS, subvenções, verbas, dotações, convênios etc. Falo de salvação efetiva de fauna e flora.

Ao estilo dos nossos amigos do Greepeace em frente a navios baleeiros.

A resposta objetiva seria a União se o dano fosse causado por omissão da União ou por ato lesivo da União. Mas nenhuma soma em dinheiro pode garantir a ressurreição de espécies.

Por outro lado, se a União for condenada a indenizar a alguém pela extinção de uma espécie, seria quem? E a indenização sairia do bolso de quem?

Hoje os criadores de pássaros - reprodutores ex situ de pássaros nativos - sofrem um imenso preconceito. Preconceito por parte de leigos, da mídia, de algumas ONGs. Um preconceito, como qualquer outro preconceito, não embasado na verdade. Todo preconceito é, por si só, mentiroso.

E aquilo que deveria ser uma ferramenta de preservação da máxima biodiversidade possível está sendo ideologicamente marginalizada.

Crueldade contra animais? Observemos as granjas de frango, de chester, de peru do Sul do Brasil. Superconcentração, superalimentação, superimunização. Hormônios. Porcos, idem. Com o agravante dos nitritos em cursos de água. Baby beef. Truta salmonada. Confinamento de bovinos. Sacrifício de cães e gatos.

Todos nós temos o potencial para sermos exterminadores do futuro.

Estados com potencial exportador de minério dependem dessa riqueza. E os povos dependem dessa riqueza. No caso do Pará, a floresta será lesada. Do Maranhão, idem. No Tocantins será o cerrado. Em Minas Gerais são os endemismos da Serra do Cipó agora os lesados. Na Bahia, os endêmicos da Chapada Diamantina.

Mas não podemos nos esquecer do pré-sal, da pesca e do transporte marítimo. Temos diversas espécies marítimas ameaçadas. E fluviais também.

Quando alguém come um filé de pirarucu, come o filé de um Arapaima gigas de vários anos de idade. Pescado com arpão. Isto não causa comoção. Embora no caso da baleia cause. Ambos são vidas. Sei que há restrições e controles quanto à espécie. Mas e quanto ao arpão?

Quando alguém coleta peixes Neon Cardinal no Rio Negro para exportar a troco de merreca não há crime algum. O Cardinal não é reproduzido no Brasil. Mas é no Sudeste Asiático, pelo preço justo. E morrem milhares no transporte e, nos aquários, todos os anos. Embora não haja comoção nisto.

Então, se alguém aperta frangos em uma granja ou transporta clandestinamente aves, ao meu ver, há um só malefício. Só que o primeiro, tributado, é lícito. E o segundo, não tributado, é negócio marginal.

Pescar um peixe de 15 anos de idade é hobby? E porque reproduzir um curió seria atividade reprovável?

Porque a piscicultura com fins comerciais é incentivada, a pecuária, a suinocultura, a carcinicultura são incentivadas, se o fim de tudo isto é a morte dos animais criados com o propósito específico de morte? Se deixam um rastro de nitritos, amônia, metano e asfixia aquática, porque seria moral e ético isto?

Enquanto isto, um criador, não registrado no SISPASS (sistema de gestão - IBAMA), em situação administrativa irregular, reproduz 5 ou 6 bigodinhos (Sporophila lineola). Produziu vida, em condição administrativa irregular, mas é incapaz de atender aos ditames ideológicos circunstanciais e pode ser execrado pela mídia. Se três desses bigodinhos fossem reintroduzidos após uma adaptação, seria um grande êxito reprodutivo.

Neste ponto é que eu queria chegar:

a) a mídia não quer preservação de espécies. Quer notícia.

b) a massa é desordenada e não quer preservação de espécies. A massa quer bem-estar e se a preservação significar bem-estar a massa aceita a preservação.

c) os ambientalistas podem subsidiar a mídia e orientar positivamente a massa.

Só que há "ambientalistas" e "ambientalistas". Chico Mendes deu a vida pela floresta. Sou fã dele.

Mas, se é possível um manejo sustentável, porque não podemos dar um salto adiante: pensar em um projeto apartidário, mas político no sentido profundo da palavra, onde a preservação da fauna e da flora seja buscada de todos os meios e por todos os instrumentos possíveis?

Precisamos de uma lei complementar nacional sobre fauna e flora.

Enquanto não a tivermos, defenderei a Constituição Federal e o entendimento de que todos os Estados e o meu glorioso Estado de Minas Gerais não será exceção, poderão legislar localmente sobre manejo de fauna e flora: reflorestamentos com espécies nativas, clonagem de jequitibás e jacarandás, clonagem de orquídeas, reprodução ex situ de anfíbios para fármacos e o sacrossanto direito de reproduzir passarinhos.

Do contrário, a solução para nós será a Holanda. Tudo o que canta ou é belo do Brasil é reproduzido e comercializado licitamente na Holanda.

"Enquanto isto, o sabiá fica calado na Bahia, porque onde antes era

mata, em breve vai ser ferrovia.

E ai do Nicolau, que com paciência reproduziu um casal.

Porque o que mata a lagosta é pescador, Quem mata o faisão é gourmet,

E quem cria passarinho

É simplesmente marginal, vai ao Jornal Nacional,

É preso e fala fininho.

O ferro é do chinês, o gado é do gaúcho, A madeira é do malaio, o nióbio é de um ricaço, O urânio é do Governo e o câncer do povo baiano, O pasto é do coronel e o resto é do cangaço, Enquanto isto, o sabiá fica calado na Bahia, porque onde antes era mata, em breve vai ser ferrovia."

Este foi brilhante texto, que todos que gostam de compartilhar da companhia dos alados e tem compromisso com sua preservação, pensem e repensem. Precisamos eleger políticos comprometidos com esta causa e isso é urgente.

Aqueles que tem algo contra a criação de pássaros e contra os criadores, saiba que a atividade é lícita, devidamente controlada pelos órgãos "competentes" e enquanto aqui estes órgãos criam dificuldades em outros países a atividade gera receita e preserva as espécies.

Ainda acredito no Brasil e nas leis, mas estou um pouco desanimado!

TEXTO DE Fernando Matuscelli


Respeite as regras do fórum!!!
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Reryson Colares
Administrador
Administrador

Masculino
Sub-Nick : RC
Mensagens : 5855
Reputação : 562
Idade : 20
Data de inscrição : 12/09/2012
Localização : Fortaleza-ce

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Reflita Sobre a Ideia dos Bons Propósitos

Mensagem por Reryson Colares em Dom Dez 23, 2012 6:10 pm

kkkkkkkkk
A galera ta com preguiça de ler.
Eu achei um belo texto.


Respeite as regras do fórum!!!
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Reryson Colares
Administrador
Administrador

Masculino
Sub-Nick : RC
Mensagens : 5855
Reputação : 562
Idade : 20
Data de inscrição : 12/09/2012
Localização : Fortaleza-ce

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Reflita Sobre a Ideia dos Bons Propósitos

Mensagem por Andre Bass em Dom Dez 23, 2012 8:23 pm

amigo amanhã vou ler com mais calma xD


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Andre Bass
Criador experiente
Criador experiente

Masculino
Mensagens : 956
Reputação : 90
Idade : 24
Data de inscrição : 13/09/2012
Localização : Ibitirama

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Reflita Sobre a Ideia dos Bons Propósitos

Mensagem por Gil Vieira em Seg Dez 15, 2014 12:07 pm

Tópico antigo e sem movimentação. Encerrado.


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Gil Vieira
Ajudeiro
Ajudeiro

Feminino
Quantos pássaros você cria? : 18
Mensagens : 3010
Reputação : 447
Idade : 20
Data de inscrição : 13/04/2014
Localização : Parnaíba/PI

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Reflita Sobre a Ideia dos Bons Propósitos

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 4:53 am


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum