Criação de Coleiro552

Criação de Coleiro

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Criação de Coleiro

Mensagem por Davi Hemerly em Qui Set 06, 2012 12:23 pm

Criação de coleiro

Apresentação


Sem dúvida, é o mais popular dos pássaros brasileiros, seu tamanho diminuto facilita o manejo. É a maior paixão de crianças que gostam de pássaros. Esse lindo passarinho cantador é quase sempre o primeiro tipo de pupilo dos passarinheiros. Foi o meu primeiro, quando tinha 6 a 7 anos, lá pela minha Manhuaçu. Havia centenas deles por perto de minha casa. Hoje bem mais escasso, mas ainda é, certamente, o que existe em maior número pelo Brasil afora. Conhece-se, pelo menos, quatro formas diferentes: o coleiro de gola e do peito branco, o Sporophila caerulescens caerulescens; o cabeça preta do peito amarelo, o Sporophila nigricollis nigricollis; o de gola e do peito amarelo, o Sporophila caerulescens hellmayri.

Há ainda citações sobre o Sporophila ardesiaca e o Sporophila melanops, como Coleiro mineiro e Coleiro de Goiás, respectivamente. Sobre o cabeça preta do peito branco não há uma clara definição sobre o nome científico É preciso mais clareza dos técnicos e dos livros existentes sobre a questão para se ter a certeza sobre o nome correto. É difícil, também, é conhecer as fêmeas de cada um deles, são idênticas. O mais comum é o de gola, coleira e de peito branco, o de dupla coleira - e é aquele que mais se cultiva, o espécie típica. Afirmam os mais entendidos que é o mais valente e cantador. Conhecido também como: Coleirinha, Coleirinho, Papa-Capim, Coleira - Coleiro Laranjeira e Papa-Arroz - é um pássaro de porte pequeno, 11 cm de comprimento, envergadura 17 cm, com 14 penas grandes em cada asa. De cor preta chamuscada na cabeça e costas; abdome branco ou amarelo; mosca branca nas asas; garganta preta em cima de uma gola branca para ter logo abaixo uma coleira de um preto bastante intenso. Os olhos enegrecidos são circundados com pequenas penas claras, formando um gatinho. Bico é delicado e possui tons amarelados, cor de laranja. Há um marcante dimorfismo sexual: a fêmea tem a cor diferente do macho. Ela é parda, castanho claro, a mesma cor dos machos jovens que vão gradativamente se tornando pretos, e já procriam pardos com a idade de 7/8 meses.

Distribui-se por grande parte do Brasil, especialmente o Centro-Sul e países limítrofes. Na natureza, costuma procriar entre os meses de novembro e março.

Preferem as beiradas de matas, pomares, pastos, brejos, capoeiras e praças das cidades. É um pássaro territorialista, isto é, quando está chocando demarca uma área geográfica em torno do ninho onde o casal não admite a presença de outras aves da espécie. Canta muito e assim delimita seu território. Quando não estão na época da reprodução, contudo, podem ser vistos em pequenos grupos junto com os filhotes. Estão sempre à procura de alimentos, tipo semente de capim verde. Para isso, agarram-se aos finos talos dos cachos para poderem se alimentar; são especialistas nisso. Embora o braquiária, seja um capim exótico, apreciam muito sua semente e ele tem ajudado muito como alimento. Nos meses de julho e agosto costumam se juntar em grandes bandos, especialmente nos anos de seca prolongada. Nessas ocasiões, o fogo costuma destruir os capinzais fazendo com que os nossos queridos pássaros desesperados e famintos procurem os locais onde possam encontrar comida, muitas vezes até no interior das cidades.

Seu canto é simples, melodioso e a frase musical tem, em geral, poucas notas; entre cinco ou dez. Não repetem o canto, mas retomam muito rápido em alguns casos um a dois segundos de espaço entre um canto e outro. Existe uma infinidade de dialetos; na verdade, cada ecossistema possui um próprio. Todavia, há alguns que são mais apreciados e cultivados pelos criadores. São eles: o tuí-tuí-zero-zero ou tuí-tuí-zel-zel (o mais comum), exemplo desse canto está na fita do Cabrito; já nos cantos mais sofisticados, considerados clássicos, o Coleiro emite a terceira nota, assim: tuí-tuí-grom-grom -grom-ze-ze-zel-zel-zell ou tuí-tuí-tcho-tcho-tcho-tchá-tchá-tchaá e outras variações, para frases bem parecidas. A diferença está apenas no entendimento e na interpretação de segmentos de criadores nas nomenclaturas onomatopéicas das notas. Exemplo desse tipo de canto são as gravações dos Coleiros Mirante e Capricho. Em ambientes domésticos a característica principal do Coleiro é gostar de passear e de ser submetido a muita lida, isto é, quanto mais manuseado (mexido) mais canta. E seu desempenho nos torneios de canto e fibra está em relação direta com a dedicação que seu dono lhe dispensa. Depende muito disso. É, todavia, de fácil entrosamento e fica muito manso com um pouco de carinho. Em suma, o Coleiro é uma ave muito apreciada por todos os segmentos de passarinheiros e para vários objetivos, especialmente os torneios de canto.

GENÉTICA


Prefira casais que já tenham produzido bons resultados ou que pelo menos sejam descendentes, ascendentes, irmãos ou irmãs de coleiros que tenham se destacado. Após longos estudos , cheguei a seguinte conclusão, é impossível criar um coleiro campeão sem um estudo profundo de sua: genética, fenótipo e comportamento, pois é, só assim que conseguimos traçar mapas de reprodução.


Comece com bases sólidas, só assim, no decorrer dos anos você terá uma linhagem definida, não obstante casais que não tenham nenhum padrão genético reproduzam bons filhotes, isto é exceção!


O coleiro aprende a cantar após o nascimento, ou seja o tipo de canto do coleiro nao é passado geneticamente. Assim filho de um excelente Coleiro pode aprender a cantar um canto defeituoso, bem como o filho de um Ccoleiro com canto defeituoso pode aprender a cantar com perfeição desde que, ele nunca ouça o pai nem qualquer outro canto defeituoso, nem sequer por 5 minutos. Lembre-se que os pássaros ouvem cerca de 10 vezes mais do que nós, e, dependendo do local, são capazes de ouvir outro coleiro à 100 metros de distância ou até mais, por isso os cuidados no local de criação são muitos.


PROCESSO DE CRIAÇÃO


No minimo 60% da responsabilidade no sucesso da formação de um Ccpleiro de alta qualidade depende do criador, entre outros motivos porque cientificamente as bases do futuro canto são aprendidas principalmente entre o terceiro e o décimo sétimo dia de vida. Os 40% restante divide-se em genética e saúde.Nesta fase, ouvir as fêmeas solteiras, outros filhotes, pequenos defeitos em qualquer cantada do pai ou qualquer outro Ccoleiro, mesmo que, ao mesmo tempo esteja ouvindo a fita ou disco ou CD para o aprendizado, poderá influenciar o filhote de forma negativa e irreversível por toda vida. Quem quiser criar Coleiros de alta qualidade deve contar com 4 ambientes suficientemente distantes ou isolados acusticamente:
Um ambiente para o macho galador (o macho só deve ser trazido para galar as fêmeas mesmo que seu canto seja perfeito).
Outro ambiente paras as fêmeas solteiras (sabe-se que muitas fêmeas não galadas cantam e mesmo as que parecem não cantar, costumam faze-lo bem cedinho, pouco antes de amanhecer), pois o canto das fêmeas poderá afetar o canto do filhote.
Outro ambiente onde ficarão as fêmeas galadas, chocando e criando os filhotes.
Outro ambiente para os filhotes “desmamados”.

Período da "Muda"


O período da "muda" inicia-se no mês de abril (com variações conforme a região brasileira), ocasião na qual o criador prepara os casais reprodutores para o chamado "ciclo reprodutivo", cujo sucesso dependerá primordialmente desta fase.
As fêmeas deverão estar dispostas e acomodadas de maneira que possam estar visualmente próximas, de forma que se observem, umas as outras, salientando que, em sendo assim, as gaiolas deverão estar sem a proteção das capas ou divisórias.
Observa-se que este procedimento é aplicável tanto na criação comercial quanto na doméstica.
Este processo busca uma aproximação bastante coerente ao modelo do
seu "habitat" natural, onde, nesta época da "muda", esta espécie em liberdade,aglomera-se sabiamente em verdadeiras colônias, no sentido da busca à proteção, considerando ser período de inverno.

Medicação Preventiva



Logo no início da 'muda", administra-se 3 gotas de "Ferro-SM" em 50 ml de água, por um período de 15 dias consecutivos, adotando-se, após esse período, um intervalo de 7 dias e, na seqüência, retornando à dose inicial
por um período de mais 7 dias.
Após esta profilaxia, as fêmeas deverão estar na fase "seca da muda". Assim, entrarão em descanso por 15 dias e, a seguir, receberão o "Aminosol" por um período de 10 dias consecutivos, na dose de 4 a 5 gotas adicionadas no bebedouro de 50 ml.
A critério individual, o "Aminosol", poderá ser administrado ainda na "farinhada", na dose de duas colheres (sopa) rasas, para cada 1 kg da mistura desejada.
Após a "seca da muda" -; fase que normalmente ocorre no final de maio - início de junho, procede-se a novos cuidados preventivos profiláticos.

COMO MELHORAR A SAÚDE E A RESISTÊNCIA DAS FÊMEAS



Em maio/junho, após terminarem a muda de penas, as fêmeas poderão ser soltas, todas juntas, num grande viveiro, parcialmente coberto ou que possa ser coberto todas as noites para que fiquem expostas às variações da natureza tais como: sol, chuva, vento, calor, etc.…Isto reativará ou aumentará a resistência natural das fêmeas, fortalecendo-as para o próximo período de postura e parte desta melhora na saúde, será transmitida geneticamente para os filhotes.



Julho

É a fase ideal para se vermifugar o plantel, utilizando-se 2 gotas de IVOMEC-POUR-ON, na coxa do lado externo do pássaro. Importante enfatizar que, com este procedimento estaremos também vacinando contra ácaros de pena, bico e traquéia.Durante 03 dias o pássaro não pode ser molhado ( sem banho nestes dias).

Agosto

Normalmente neste mês inicia-se o período da reprodução para a maioria das aves; oportunidade na qual deve-se proceder a assepsia das gaiolas com o produto "KILOL" (ou assemelhado), no caso específico das gaiolas de madeira. Quanto às gaiolas de arame, o procedimento deverá ocorrer no forno, a uma temperatura mínima de 100º C, por um período nunca inferior a 10 minutos.

Aqueles criadores que se utilizam de gaiolas de madeira, deverão estar atentos às tão indesejáveis infestações de àcaros, piolhos , bem como a proliferação de doenças infecto-contagiosas.

Face ao exposto, o sucesso de uma criação depende fundamentalmente de um ambiente corretamente higienizado, onde se pratica a limpeza constante dos excrementos fecais, evitando-se rigorosamente a utilização de "jornal" para a forração do piso das gaiolas, e praticando a troca diária da água, não obstante ainda estar atento à renovação frequente -; duas a três vezes ao dia, daqueles alimentos que se deterioram com maior facilidade, como por exemplo o ovo de galinha.
Portanto, há de ressaltar aqui que, um bom programa de higiene deve fazer parte do cronograma diário de atividades do criador.
Cumprido o programa acima, coloca-se as fêmeas em gaiolas individuais, bem como os respectivos ninhos, evitando encostá-los junto a paredes pois, segundo observações próprias, podemos afirmar que dificilmente ela irá chocar. Prevalecerá neste caso, o seu instinto defensivo, pois transitam por ali, dia e noite, toda sorte de animais artrópodes, da classe dos insetos, tais como baratas, formigas, besouros, aracnídeos, repteis lacertílios (lagartixas), os quais irão perturbar a tranquilidade da ave.
Devemos incentivar as fêmeas, no seu instinto sexual, colocando a seu alcance, raízes de capim "rabo de burro", cuja palha é muito apreciada algumas até completam com elas o seu ninho.
Observa-se que jamais deverão ser ofertados, em hipótese alguma barbantes, pois, se ingeridos, será fatal.
Associada a esta técnica, deve-se administrar vitamina "E ", pois, como sabemos, trata-se da vitamina da fertilidade.



Agosto/Setembro

Final de agosto e mês de setembro é o período no qual se incia a "cobertura".
Nesta fase, principalmente pela manhã, coloca-se a palha e deixa-se o macho "cantar" para a fêmea, sem contudo tirar a divisória entre as gaiolas.
Isto posto, uma boa técnica é despertar a curiosidade de ambos, abrindo a divisória lenta e gradualmente, sem retirá-la completamente e de uma só vez.
Seguro de que a fêmea pedirá "gala" e, após 10 a 25 minutos de observação, será feita a retirada literal da divisória, considerando que os dois passadores já estarão abertos.
Ocorrendo a "cobertura", deve-se repetir os mesmos procedimentos no dia seguinte.
Entre 2 e 4 dias a fêmea colocará o primeiro ovo, geralmente chocando-o.
No sexto dia de choco deverá ser feita a "ovoscopia", colocando-se o ovinho entre os dedos indicador e polegar, em forma de círculo, com leve pressão entre os dedos, posicionando-o à frente de uma lâmpada. Com pouca prática logo será observada a diferença existente entre um ovo "galado", comparativamente a outro que esteja sem "gala" ou "ovo branco" que, como o próprio nome indica, este ovo, se confrontado à luminosidade de uma lâmpada, estará totalmente branco, enquanto que o outro apresentará em seu núcleo, estrias avermelhadas ou sanguinolentas.

Nascimento dos filhotes



Durante as 12 horas iniciais, as fêmeas costumam apenas aquecê-los, raramente saindo dos seus ninhos. Nesta primeira fase, deverá ser adotada uma vigilância constante, observando inclusive se os filhotes estão sendo alimentados e com que freqüência, socorrendo-os, se for o caso, com uma alimentação adicional como papinhas, hoje disponíveis no mercado. Uma boa papinha pode ser conseguida juntando ovo cozido e alpiste bem triturado, que poderá ser preparada no liquidificador doméstico.
Observa-se que muitas fêmeas, sendo ajudadas na alimentação de seus filhotes, geralmente se revelam ótimas criadeiras.
Para se constatar a saúde dos filhotes, uma boa prática é um leve toque no ninho. Estando em gozo de plena saúde, eles abrirão o bico gananciosamente. Caso contrário algo estará errado e, nestes casos específicos, verificar se estão com diarréia ou fungos localizados na parte interna do bico. No primeiro caso, corrigi-se com Terramicina 77( 01 grama para 50 ml de água) e, no segundo, com Nistatina(genérico)-uso humano( 01 gota diretamente no bico ou 05 gotas em 50ml de água).
Até sair do ninho, deve-se verificar ,também, se o filhote tem comida no papo, bem como se as suas fezes estão envoltas numa membrana e se a fêmea as retira dali sem dificuldades. Caso contrário o filhote provavelmente estará diarréico.
Observa-se que, de 11 a 13 dias os filhotes normalmente saem dos ninhos. Assim, necessário se torna que sejam monitorados, considerando
que não obtenham êxito naquele primeiro momento, face à natural insegurança pelo fato de ,conjuntamente, abrir o bico e equilibrar-se .
Assim, caso isso ocorra, deverá ser auxiliado pelo menos três vezes ao dia, recebendo manualmente a papinha até que a mãe volte a alimentá-lo.
O ninho, tipo taça, tem as seguintes dimensões: 6cm de diâmetro X 4 cm de profundidade, e será colocado pelo lado de dentro da gaiola. Pode ser feito de bucha ( Luffa cylindrica) por cima de uma armação de arame. Para estimular a fêmea prender raiz de capim ou fiapos de casca de coco, assim ela cobrirá o ninho com estes materiais. O número de ovos de cada postura é quase sempre 2.



Cada fêmea choca 3/4 vezes por ano, podendo tirar até 8 filhotes por temporada. As coleiras podem ficar bem próximas umas das outras separadas por uma divisão de tábua ou plástico, mas não podem se ver, de forma alguma. Senão, matam os filhotes ou interrompem o processo do choco, se isto acontecer.

Alimentação


ALIMENTAÇÃO DOS FILHOTES


Não se usa mais alimentar os filhotes com larvas, aranhas, cupins, etc. para facilitar a vida do criador e melhorar à saúde dos filhotes utiliza-se a ração própria, que é vendida a preço acessível em baldes, próprios para criadores. As fêmeas poderão ser acostumadas com esta alimentação após a mudas de penas, suspendendo qualquer outra alimentação e misturado a gema de ovo ralada à ração para que fique mais úmida e mais ao gosto das fêmeas. Os filhotes do próximo ano e portanto as novas fêmeas já nascerão habituadas à nova alimentação que deverá ser oferecidas com mais uma opção à todos os coleiros

Outros alimentos são os cupins, pão molhado em água e milho verde, além das misturas para pássaros, alpiste e painço, ovo (clara e gema) cozido.
A alimentação dos filhotes deve ser deixado por conta das mães. Você não deve colocar o alimento diretamente no ninho dos filhotes mas sim deixar que os pais façam isso. Nesse momento é importante observar os cuidados que eles dispensam aos filhotes. Deixar a disposição da mãe os alimentos de matrizes
Tome cuidado ao comprar verduras, tenha certeza de que não foi passado inseticida na plantação e se estão estragadas. As verduras (almeirão, chicória, espinafre, catalonia) e legumes ( jiló) poderão ser dados ocasionalmente durante todas as fases da criação. O grande cuidado a se tomar são com as verduras, pois deverão ser bem lavadas e colocadas pôr 30 minuto em uma solução de água (98%) e vinagre (2%). Evite alface e salsa.
A alimentação básica deve ser de grãos, notadamente o alpiste 50%, painço amarelo 30%, senha 10%, niger 10%, acrescentar periodicamente o painço português legítimo. É salutar que de disponibilize, também, ração de codorna misturada a 50% com milharina adicionando Mold-Zap® à base de 1 gr. por quilo. Dois dias por semana administrar polivitamínico tipo Orosol®, Rovisol® ou Protovit®, este à base de 2 gotas para 50ml d'água. Já sua alimentação especial para a fase de reprodução deverá ser a seguinte. Quando houver filhotes no ninho, em uma vasilha separada, colocar 3 vezes ao dia, farinhada assim preparada: 6 partes de milharina, 1 parte de farelo de soja torrado,/ 1 parte de germe de trigo, / premix F1 da Nutrivet® (4 colheres de sopa para 1 quilo), / sal 2 gr. por quilo, / Mold-Zap® 1 gr. por quilo, / Mycosorb® 2 gr. por quilo. Após tudo isso estar muito bem misturado, coloque na hora de servir uma gema de ovo cozido e uma colher cheia de "aminosol®" para uma colher bem cheia de farinhada. Dá-se larvas, utilizando a chamada "praga da granja"; (tipo de Tenébrio molitor, em miniatura, muito comum em granjas de avicultura industrial), é a melhor e tem mais digestibilidade. Essa larva é diminuta e condizente com o tamanho do bico do Coleiro. Oferecer até o filhote sair do ninho.

É bom, também, colocar sempre à disposição das aves "farinha de ostra" batida com areia esterilizada e sal mineral (tipo aminopan®). Outra questão importante diz respeito ao lugar adequado para que eles possam exercer a procriação. Esse local deve ser claro, arejado e sem correntes de vento. A temperatura ideal deve ficar na faixa de 25 a 35 graus Celsius e umidade relativa entre 40 e 60%.

Incubadora - auxiliar na reprodução.



Quanto à sexagem é muito difícil nos filhotes de 2 a 3 meses; a única maneira segura será através do DNA; já há tecnologia para se fazer este tipo de sexagem,em laboratórios especializados. Outro método é a observação que se pode fazer traçando uma linha reta passando por baixo do bico de cima em direção dos olhos, dizem que no macho ela passará por baixo do olho e na fêmea irá de encontro com o centro da cavidade ocular. Dizem, também, que o pássaro macho, ainda no ninho, tem a largura das costas mais estreita do que da fêmea.

Separação


A separação literal ocorre entre 33 e 35 dias. Há de se observar se o filhote está realmente alimentando-se em sua nova morada.
É importantíssimo que sejam mantidas as mesmas disposições dos apetrechos da morada anterior, tais como comedouros e bebedouros, os quais deverão obedecer a mesma padronagem e cor, evitando-se mudanças radicais as quais causarão estranheza.
O período de separação, por ser crucial, em alguns casos podem ser inclusive traumáticos. Para evitar-se o "stress", aconselha-se manter irmãos da mesma ninhada na mesma gaiola, até que se tenha absoluta certeza de que estão competentemente alimentando-se sozinhos. Registre-se que há casos de filhotes que não se conformam com a separação e piam copiosamente.
Nestes casos, retorne-os às gaiolas de suas respectivas mães por mais alguns dias.
No caso de filhotes destinados à venda, adota-se o mesmo critério quanto ao tipo e cor de bebedouros e comedouros pelas razões acima descritas.
Temos observado que filhotes cujas mães alimentam-se com ração extrusada, mesmo quando na proporção de 50% com grãos de sementes, a separação pode ocorrer antes do prazo normalmente considerado ( 33 a 35 dias). Isto porque os extrusados são bem mais macios e menos rígidos que os grãos de sementes, ficando mais fácil a absorção da alimentação pelo filhote .

VALORIZAÇÃO DOS FILHO
TES

QUANTO AO PAI: Como a preferência dos criadores mais e mais tem sido por que a característica é transmitida geneticamente pelos machos adultos, parece lógico que o criador deve preferencialmente possuir um macho galador, mesmo que o canto seja de baixa qualidade (lembre-se que o macho só deve ser trazido para o ambiente das fêmeas para galar e após levado para a outra casa distante o suficiente para nunca ser ouvidos pelos filhotes). É interessante para o criador que o macho galador tenham mais de 4 anos de idade.


QUANTO À MÃE: é interessante o criador possuir fêmeas de origem e genética comprovadas e nunca fêmeas silvestres (cada macho normalmente tem condições de acasalar-se com até 05 que:

Sejam mães de coleiros com ótimas voz.
Netas ou bisnetas, avós, bisavós e outros graus de parentesco de coleiros e com ótima voz.
Utilizar um macho de excelente qualidade, de preferência um campeoníssimo, para 5 fêmeas. Nunca deixá-lo junto pois ele quase sempre prejudica o processo de reprodução, e mata os filhotes. O melhor, é colocá-lo para galar e imediatamente afastá-lo da fêmea. O filhote nasce aos treze dias depois de a fêmea deitar e sai do ninho também aos treze dias de idade e pode ser separado da mãe com 35 dias. Com 8 meses, ainda pardos, já poderão procriar. As anilhas serão colocadas do 7O ao 10o dia, com anilha 2,3 mm de diâmetro - bitola 1 a ser adquirida do Clube onde seja sócio. Pode-se trocar os ovos e os filhotes de mãe quando estão no ninho. Fundamental, porém, é que se tenha todo o cuidado com a higiene. Lembremos que os fungos, a coccidiose e as bactérias são os maiores inimigos da criação, e têm as suas ocorrências inversamente relacionadas com a higiene dispensada ao criadouro.


OBS: Alguns criadores experientes anualmente adquirem machos e fêmeas de outros criadores, a fim de, aprimorar sua genética e evitar a consangüinidade.


A FITA, CD OU DI
SCO

Todo criador deve tocar a fita, CD ou disco da modalidade de canto de sua preferência. Também é imprescindível o aparelho de som estar conectado com um TIMER possibilitando um melhor controle do tempo de funcionamento do aparelho e evitando, assim o Strees do som intermitente e preservando a vida útil do aparelho. Lembre-se que quando entramos em um local com som ambiente, à princípio percebemos o som e após algum tempo, não notamos mais. O tempo de silêncio serve para que o Coleiro volte a perceber o canto quando a fita voltar a tocar. Para diminuir a possibilidade dos Coleiros ouvirem algum outro canto que lhes estrague o aprendizado, recomenda-se que se ouça rádio, TV ou qualquer outro som ininterruptamente, de manhã até à noite.


Tudo isto também vale para os educadores do filhote e deverá ser usado por toda a sua vida, para que queiram manter um coleiro de qualidade. Procure informações com grandes criadores, pois eles tem montagens de canto próprio para ensinar os filhotes. Evite as fitas comercias, elas voltadas são para divulgação do canto e não para aprendizagem dos filhotes. Caso a pessoa possua um coleiro mestre, o desgaste no aprendizado dos filhotes será bem menor, pois o filhote sempre dá preferência a um canto ao vivo e original do que a um som gravado. Deve-se deixar o mestre cantar para o filhote e nunca o filhote cantar para o mestre, cuidado para sobrecarregar o mestre com muitos filhotes.


3.PROCESSO DE EDUCAÇÃO DOS FILHOTES


São 3 os estágios de aprendizado:

1.Engriza ou churria

2.Marcar notas

3.Assobia


Tão logo o filhote aprenda comer sozinho, ele dever ser colocado na sua gaiola (preferia gaiola núm. 5, que possibilita ao pássaro mais espaço para voar e não apenas pular com nas gaiolas menores, facilitando a capacidade pulmonar e portanto de cantar e repetir) e levado para um ambiente onde ouça unicamente a fita, Cd ou disco (lembre-se que dificilmente encontramos um mestre que vez por outra não apresente alguma falha e, como as crianças, o Coleiro aprenderá mais facilmente as “besteiras”).

Recomenda-se nos primeiros 30 dias após o “desmame” ou até começarem a marcar notas, tocar de 30 em 30 minutas a fita, CD ou disco facilitando assim o aprendizado do beaba do canto Clássico. Quando ele começar a marcar notas (uma espécie de churriado porém com “altos” e “baixos”) pode-se ficar à distância ou gravar a marcação de notas dele para depois ouvir, analisar e tentar detectar quais as notas que faltam. Lembre-se que ele deve aprender o canto clássico .
Caso o educador tenha mais pardos, o filhote que começar a marcar nota deve ser deixado longe dos demais que ainda estão churriando, porque senão os demais “amarrarão” a sua evolução. Isto se deve ao fato de que todos os Coleiros tende à ir para o canto mais fácil e neste caso, permanecer churriando, é mais fácil do que marcar notas.


Neste período ele não deve ser tirado de casa, nem colocado na janela, nem estimulado a cantar, nem passear de carro nem mesmo para mostra suas qualidades para os amigos. Este é um período critico e, mesmo colocá-lo na janela de casa pode estimulá-lo a cantar muito cedo e portanto facilitando a imperfeiçao.


Também não se deve usar a capa para calar o coleiro basta usar o controle das cortinas de casa para mantê-lo em local não muito escuro, nem muito iluminado

AMBIENTE


Não é recomendável deixar o Coleiro em cozinhas, banheiros ou outros locais revestido com azulejos porque tenderão a cantar com voz metalizada e /ou estridente, devido as característica de não absorção do som e produção do eco. Devemos também preferir ambientes com móveis, cortinas, tapetes etc.… que “suavizarão” o som ouvido e portanto aprendido pelo coleiro.


Como o som se propaga de baixo para cima (note que se ouve muito mais os sons do apartamento abaixo do seu do que está acima do seu), ricocheteando nas paredes. É recomendável que as caixas acústicas estejam o mais próximo possível do piso (no máximo à 50 cm do chão) e o alto falante não deve ser direcionado diretamente para gaiola.


Quanto ao volume (altura) do som, recomendo que esteja cerca de um terço do volume normal que um Coleiro mestre estaria cantando. O ambiente deverá possibilitar ainda que o Coleiro acorde e adormeça nos horários da natureza (não é bom fazer o Coleiro dormir após o anoitecer ou deixá-lo em local onde haja TV ligada, pessoas falando e etc.…)

Uma célula fotossensora no aparelho de som é muito útil. Porque o Coleiro acorda ao amanhecer, o som automaticamente será ligado e ao contrário se desligará ao anoitecer , quando o pássaro for dormir.

MUDA DE PARDO


Após cerca de 4 meses a partir do seu nascimento, o filhote fará uma muda rápida de penas que chamamos muda de pardo. As mudas de penas anuais ocorrerão então mais ou menos 12 meses à partir desta muda de pardo. Após a muda de pardo, o Coleiro deverá ser colocado na voadeira por 20 dias, para que possa voltar ao seu estado atlético, já que na muda o coleiro passa por um processo de letargia e após este período levá-lo para passear. Se não for possível levá-lo passear, deixá-lo dentro do carro por algum tempo ajudará no seu desenvolvimento (não esqueça de deixá-lo à sombra e com boa ventilação). Quanto mais se “mexer”com o Coleiro, mudando-o constantemente de um ambiente para outro, melhor.


COLEIRO PRETO


Após ficar completamente preto, o Coleiro poderá ao melhorar significativamente o seu canto e mesmo assim, tendo aprendido um canto eletronicamente, ele poderá a perder gradualmente algumas notas do seu canto.

.

QUANDO FOR TROCADA A FITA OU CD


Por diversas razões, às vezes o criador pode querer trocar a fita, se após a mudança, o coleiro começar a “cortar” o canto e continuar assim até o 2/3 dia, deve-se voltar a fita anterior porque, por alguma razão, o coleiro não aceitou a nova fita.


GRAVANDO O PRÓPRIO COLEIRO PARA ELE MESMO OUVIR


Por alguma razão, ainda não compreendida por nós, todas as tentativas de gravar o canto determinado coleiro para ele mesmo ouvir, tem sido desastrosa. Mesmo quando canta perfeito, o coleiro ao ouvir uma fita dele próprio, vai perdendo gradualmente a qualidade do seu canto porem, a fita do canto de seu coleiro poderá ser tocada para ensinar outro curió e Ter o mesmo efeito das fitas comerciais ou até melhor tudo depende da qualidade do canto de seu coleiro assim como da gravação (consulte um juiz de canto).


LEMBRETE: quem quiser manter coleiros com qualidade de canto não deve ter outros pássaros







O enigma do aprendizado


Canto

Se o criador amigo observar bem, vai notar que:

Quando usamos o coleiro apenas para galar, a fêmea, nas madrugadas, cantam na beira do ninho fazendo o papel do pai, e os filhotes acabam assimilando o seu canto. Isto ocorre com a maioria das fêmeas mais fogosas, e de boa qualidade, produto da seleção natural que o próprio criador faz.. No mato, o macho fica no galho próximo ao ninho, cantando para os seus filhotes.



Reprodução


Os machos possuem uma coloração preta com o ventre branco e uma mancha branca em cada asa. Já as fêmeas são amarronzadas com o ventre pardo.

Os Coleiros já estão prontos para a reprodução após um ano de idade. O período de acasalamento inicia-se no final do inverno e dura até o término do verão. A média de ovos é de dois por postura e a eclosão ocorre cerca de 13 dias após a postura. Passados 30 dias do nascimento, os filhotes já estão prontos para sair do ninho. Os ninhos mais recomendados são feitos de bucha e são semelhantes aos dos curiós . Material para confecção do ninho, como barbantes, estopa e a própria bucha, devem ser deixados à disposição da fêmea durante o período de reprodução.


Manutenção


As Gaiolas para os Coleiros devem ter no mínimo 45 cm de comprimento, 30 cm de altura e 30 cm de largura. Devem conter um comedouro e um bebedouro de fácil remoção para a limpeza. Os Coleiros gostam de tomar banho, então o uso de uma banheira plástica pela manhã se faz necessário. A limpeza regular é outro fator importante para a saúde destes pássaros. O sol também é muito importante, principalmente durante o começo da manhã e também no final da tarde. Mantenha a gaiola em um local seguro e abrigado de correntes de vento.

Vitaminas


As vitaminas são muito importante para os pássaros, mas ela precisa ser complementada com proteínas e sais minerais.

Vitamina "A": Auxilia no crescimento e é indispensável para o organismo defendendo escorbuto e protegendo a epiderme, é encontrada no pepino, na gema de ovo e na cenoura
Vitamina "B": (B1, B2, B6 e B12) ajuda no desenvolvimento dos filhotes e fortalece os nervos, é encontrada no pão, couve, cenouras e gema de ovo.
Vitamina "C": Dá boa condição ao sangue e é preventivo contra moléstia da pele, é encontrada no tomate, laranja e limão.
Vitamina "D": A falta desta vitamina causa raquitismo, é encontrada nos raios solares, na gema de ovo e no leite (apenas em tratamento).
Vitamina "E": Proporciona vigor mental e também estimula e fertiliza os pássaros, é encontrada no germe do trigo, amendoim, agrião e flocos de aveia.
Amido, açucares e gorduras: Não são muito importante para os pássaros, proporciona energia e bom sono, é encontrada na farinha e na gema de ovo.
Proteínas: necessária para o crescimento e para manter bem os ossos, a pele e o sangue. Ajuda para evitar doenças, é encontrada no leite, ovos, pão, cereais, carne (Tenébrio Molitor)
Cálcio: Para formar os ossos, coagular o sangue, regular a pulsação, contrair e relaxar os músculos, é encontrado no almeirão, na casca de ovo e no osso de Siba.
Ferro: Para produzir sangue e outras células, é encontrado na carne (Tenébrio Molitor), no almeirão e agrião.
Iodo: Importante durante a adolescência e o período de postura, é encontrado no agrião e couve.
Fósforo: Ajuda as funções do cérebro e do sistema nervoso, é encontrado na carne (Tenébrio Molitor), ovos e trigo.

DICAS SOBRE SAÚDE


Nunca lavar o alpiste ou qualquer outra semente. Mesmo depois de secada no sol ou no forno, poderemos verificar, com microscópio, a formação de fungos e bactérias que podem comprometer a saúde de seus pássaros.
Como combater piolho: No primeiro dia, misturar 8 gotas de vinagre branco na banheira. No segundo dia 5 gotas e no terceiro até o quinto dia, 3 gotas (medida preventiva)
STRESS: é identificado quando, ao pegar a sua gaiola, o pássaro imediatamente ele defeca. Como anti-stress recomendo a semente pirila
Muda encruada: amassar carvão e cobrir o fundo da gaiola, até começarem a cair as penas. Existe complexo vitamínicos no mercado para esse fim.
Muda constante: podem existir diversas causas, mas uma das principal e o excesso de vitamina A. Por isso, costumo oferecer apenas água pura, evitando a intoxicação e outros efeitos indesejados dos medicamentos “químicos”.
Coleiro que arranca penas: normalmente as causas estão ligadas a problemas dermatológicos ou deficiências protéicas, que podem ser inibidos através de medicamentos mas, existem casos que por falta de tratamento tornam-se desvios de comportamentos, esses são incuráveis.
Ácaro de penas: 3 gotas de desinfetante na banheira, por 5 dias.
Não usar medicamentos “receitados” por amigos, procure sempre um veterinário

Fórum Nação dos Pássaros.



Última edição por Davi Hemerly em Sex Set 07, 2012 1:11 pm, editado 1 vez(es)


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]Dicas Importantes:
- Clique no botão [Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]para escolher a melhor Resposta.
- Respeite as [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] e conheça as [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- Como abir um [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- Curta a nossa página no Facebook
- Não peça suporte por MP

Davi Hemerly
Administrador
Administrador

Masculino
Sub-Nick: K2
Quantos pássaros você cria?: 2
Mensagens: 9741
Reputação: 829
Idade: 22
Data de inscrição: 04/09/2012
Localização: Vitória ES

Ver perfil do usuário http://www.nacaodospassaros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Criação de Coleiro

Mensagem por Leonardo Aveiro em Qui Set 06, 2012 4:51 pm

muito bom Davi, e de grande utilidade Very Happy

Leonardo Aveiro
Criador novato
Criador novato

Masculino
Mensagens: 18
Reputação: 4
Idade: 17
Data de inscrição: 05/09/2012
Localização: Nova Iguaçu - RJ - BR

Ver perfil do usuário http://www.nacaodospassaros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Criação de Coleiro

Mensagem por Isabella Sales em Qui Set 06, 2012 9:35 pm

Muito bom mesmo Davi.Isso ajudará muito os leitores e os membros que se cadastrarem Very Happy

Isabella Sales
Criador ativo
Criador ativo

Feminino
Mensagens: 3332
Reputação: 300
Idade: 13
Data de inscrição: 06/09/2012
Localização: Uberlândia - MG

Ver perfil do usuário http://diariodascalopsitas.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Criação de Coleiro

Mensagem por DRYKA em Seg Jan 14, 2013 8:34 pm

nossa perfeito esse tópico...meus parabéns Davi....


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

DRYKA
Criador nível 1
Criador nível 1

Feminino
Mensagens: 163
Reputação: 48
Idade: 34
Data de inscrição: 16/09/2012
Localização: mauá-sp

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Criação de Coleiro

Mensagem por DRYKA em Seg Jan 14, 2013 8:38 pm

só para aprimorar mais um pouco esse post.....

O Coleirinho também conhecido como coleiro, coleirinha, papa-capim, papa-arroz ou tui tui é um pássaro Brasileiro bastante difundido em praticamente todo o país, com exceção da região Amazônica e também para o Nordeste. O nome cientifico da espécie, Sporophila caerulescens, faz referência a alimentação do pássaro, pois significa aquele que tem gosto ou predileção por semente.
Os machos da espécie apresentam um inconfundível colar branco e negro, do qual derivou o seu nome. Além deste colar, o Coleirinho apresenta ao lado da garganta negra uma espécie de bigode branco, que define a área sob o bico amarelado ou levemente cinza esverdeado. Existem machos com peito branco e outros amarelo. A fêmea é parda, tendo uma cor mais escura nas costas. Os filhotes saem do ninho com a plumagem idêntica à fêmea, e com o passar dos meses os machos adquirem a sua plumagem característica.

Vivem basicamente em campos abertos e capinzais, podendo viver em grupos de 6 a 20 indivíduos. Devido ao seu tamanho diminuto, cerca de 11 cm, podem alcançar as sementes de gramíneas trepando pela haste das plantas. Somente os machos cantam, e seu canto apresenta variações de acordo com a região. Em locais quentes pode reproduzir durante todo o ano, sendo que sua ninhada geralmente é constituída de 02 filhotes que nascem após 13 dias de choco.


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

DRYKA
Criador nível 1
Criador nível 1

Feminino
Mensagens: 163
Reputação: 48
Idade: 34
Data de inscrição: 16/09/2012
Localização: mauá-sp

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Criação de Coleiro

Mensagem por Diego Henrique em Ter Jan 15, 2013 9:01 am

Quando você pensa que não tem mais nada, sempre aprece algo para melhorar o seu manejo!!


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Diego Henrique
Vip
Vip

Masculino
Mensagens: 2433
Reputação: 240
Idade: 23
Data de inscrição: 04/09/2012
Localização: Brasilia Df

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Criação de Coleiro

Mensagem por Davi Hemerly em Qua Jan 23, 2013 2:11 pm

Diego Cabral escreveu:Quando você pensa que não tem mais nada, sempre aprece algo para melhorar o seu manejo!!
Com certeza Very Happy

Olá Dryka, muito bom Very Happy Parabéns.


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]Dicas Importantes:
- Clique no botão [Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]para escolher a melhor Resposta.
- Respeite as [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] e conheça as [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- Como abir um [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- Curta a nossa página no Facebook
- Não peça suporte por MP

Davi Hemerly
Administrador
Administrador

Masculino
Sub-Nick: K2
Quantos pássaros você cria?: 2
Mensagens: 9741
Reputação: 829
Idade: 22
Data de inscrição: 04/09/2012
Localização: Vitória ES

Ver perfil do usuário http://www.nacaodospassaros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Criação de Coleiro

Mensagem por DRYKA em Qua Jan 23, 2013 3:23 pm

ok meninos obrigada e conte sempre comigo....sempre que puder e achar algo interessante vou postar pois as vezes sempre serve pra alguém...


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

DRYKA
Criador nível 1
Criador nível 1

Feminino
Mensagens: 163
Reputação: 48
Idade: 34
Data de inscrição: 16/09/2012
Localização: mauá-sp

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Criação de Coleiro

Mensagem por João Miceninho em Qua Jan 23, 2013 3:36 pm

comprei um papacapim achu qe é tui tui zero

e junto um coleirinha qe tem o canto tuí-tuí-grom-grom -grom-ze-ze-zel-zel-zell


qe é iqal um qe soltei achu qe o davi se lembra

João Miceninho
Criador nível 1
Criador nível 1

Masculino
Mensagens: 154
Reputação: 22
Data de inscrição: 10/09/2012

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Criação de Coleiro

Mensagem por fabricio tosta em Qui Maio 02, 2013 7:24 am

nossa DAVI excelente seu tópico está bem desenvolvido e muito bem detalhado ,perfeito . DRYKA ,muito bem ,seu complemento fechou com perfeição esse tópico , mas existe algumas fémeas que cantam até mesmo tui tui mas é claro essas são exceções raras . parabéns , abraços

fabricio tosta
Criador novato
Criador novato

Masculino
Mensagens: 47
Reputação: 0
Idade: 33
Data de inscrição: 23/04/2013
Localização: espirito santo

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Criação de Coleiro

Mensagem por Reryson Colares em Qui Maio 02, 2013 12:12 pm

Realmente muito completo.


Respeite as regras do fórum!!!

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Reryson Colares
Administrador
Administrador

Masculino
Sub-Nick: RC
Mensagens: 5759
Reputação: 545
Idade: 18
Data de inscrição: 12/09/2012
Localização: Fortaleza-ce

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Criação de Coleiro

Mensagem por Moisés Marcilio em Dom Maio 26, 2013 7:10 pm

De Extrema inportancia.

Moisés Marcilio
Criador experiente
Criador experiente

Masculino
Quantos pássaros você cria?: Cúrio,Trinca-Ferro e Coleiro.
Mensagens: 1238
Reputação: 97
Idade: 16
Data de inscrição: 23/05/2013
Localização: Santa Catarina

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Criação de Coleiro

Mensagem por Davi Hemerly em Qui Ago 29, 2013 10:41 pm

É sempre bom relembrar deste tópico.


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]Dicas Importantes:
- Clique no botão [Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]para escolher a melhor Resposta.
- Respeite as [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] e conheça as [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- Como abir um [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- Curta a nossa página no Facebook
- Não peça suporte por MP

Davi Hemerly
Administrador
Administrador

Masculino
Sub-Nick: K2
Quantos pássaros você cria?: 2
Mensagens: 9741
Reputação: 829
Idade: 22
Data de inscrição: 04/09/2012
Localização: Vitória ES

Ver perfil do usuário http://www.nacaodospassaros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum