Tudo sobre o Beija-Flor

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Tudo sobre o Beija-Flor

Mensagem por Davi Hemerly em Sex Nov 09, 2012 10:49 am

Tudo sobre o Beija-Flor

Referências culturais – Beija-Flor

Os beija-flores estão representados
No brasão de armas e moedas de 1 cêntimo de Trinidade e Tobago
Nas linhas de Nazca
Cédula de dinheiro do Brasil, R$ 1,00.
Símbolo da Prefeitura Municipal de Betim em Minas Gerais.
Na música Cuitelinho, do folclore popular de Minas Gerais.

Conservação – Beija-Flor

Duas espécies de beija-flor extinguiram-se no passado recente: esmeralda-de-Brace (Chlorostilbon bracei) e esmeralda-de-Gould (Chlorostilbon elegans). Das 322 espécies conhecidas, a IUCN lista 9 como em perigo crítico de extinção, 11 como em perigo e outras 9 como vulneráveis. As maiores ameaças à preservação do grupo são a destruição, degradação e fragmentação de habitats.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Reprodução e Comportamento – Beija-Flor

Tal como a maioria das aves, o sentido do olfato não está muito desenvolvido nos beija-flores; a visão, no entanto, é muito apurada. Para além de poderem identificar cores, os beija-flores são dos poucos vertebrados capazes de detectar cores no espectro ultravioleta.
A alimentação dos beija-flores é baseada em néctar (cerca de 90%) e artrópodes, em particular moscas, aranhas e formigas. Os beija-flores são poligâmicos.

Aproveitando a grande necessidade que os beija-flores têm de um alimento energético de rápida utilização, como o néctar, que contém carbohidratos em concentração variável em torno de 15 a 25%, é possível atraí-los para fontes artificiais de soluções açucaradas, os chamados “bebedouros” para beija-flores. Trata-se de recipientes com corolas artificiais onde é colocada uma solução açucarada cuja concentração recomendada é de 20%. Uma crença, que tudo indica foi iniciada a partir de uma publicação de autoria do naturalista Augusto Ruschi, diz que o uso desses bebedouros pode ocasionar doenças nessas aves, podendo até matá-las. Porém não há, na literatura ornitológica, nenhum trabalho científico comprovando isto.

Essa crença tornou-se extremamente difundida na população.A doença à qual Ruschi se referiu seria a candidíase, infecção oportunista causada pelo fungo Candida albicans, que acometeria a boca dos beija-flores. É possível que esse autor tenha de fato observado essa doença em seus beija-flores, mantidos em viveiros, pelo fato de se encontrarem imuno-deprimidos pelas próprias condições do cativeiro. De qualquer forma, é aconselhável que todos que forem se utilizar desse artifício para atração de beija-flores para seus jardins, sacadas, etc, que procedam à limpeza diária dos bebedouros e troca da solução açucarada preparada sempre com açúcar comum, evitando utilizar mel, açúcar mascavo e outros preparados, com maior facilidade de fermentação.

Características – Beija-Flor

Os beija-flores são aves de pequeno porte, que medem em média 6 a 12 cm de comprimento e pesam 2 a 6 gramas. O bico é normalmente longo, mas o formato preciso varia bastante com a espécie e está adaptado ao formato da flor que constitui a base da alimentação de cada tipo de beija-flor. Uma característica comum é a língua bifurcada e extensível, usada para extrair o néctar das flores.

O esqueleto e constituição muscular dos beija-flores estão adaptados de forma a permitir um vôo rápido e extremamente ágil. São as únicas aves capazes de voar em marcha-ré e de permanecer imóveis no ar. O batimento das asas é muito rápido e as espécies menores podem bater as asas 70 a 80 vezes por segundo. Em contraste, as patas dos beija-flores são pequenas demais para a ave caminhar sobre o solo. As fêmeas são em geral maiores que os machos, mas apresentam coloração menos intensa.Vivem em média 12 anos e seu tempo de gestação é de 13 á 15 dias.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Biografia – Beija-Flor

Não há como não ficar encantando com as aparições do beija-flor. Veloz, chega como se fosse um raio. Com as asas rápidas, quase imperceptíveis, estaciona no ar. “Beija” uma flor com precisão e suavidade. Repentinamente, desloca-se até outra. Instantes depois já não está mais, mas o encanto daquele momento permanece.

Pode-se observar beija-flores apenas na América do Sul, do Norte e Central. “Das cerca de 320 espécies existentes, a maioria se concentra na América do Sul e quase a metade é encontrada no Brasil”, explica Christian Dalgas Frisch, após dedicar-se oito anos a observá-los juntamente com o pai, o prestigiado ornitólogo Johan Dalgas Frisch. Do trabalho resultou o livro Jardim dos Beija-flores, aclamado internacionalmente.
O beija-flor chama a atenção a começar pelo pequeno tamanho. No livro dos recordes Guiness, é citado como menor ave brasileira. A variedade Calliplox amethystina, encontrada no Espírito Santo, tem o tamanho do dedo mindinho de um adulto (6,5 centímetros incluindo bico e cauda e peso entre 1,5 e 2,8 gramas). Outro, a abelha (Mellisuga helenae), do Caribe, é a menor ave do mundo segundo o Guiness – com apenas 5,7 centímetros e 1,6 gramas.
Admirável é o desempenho dessa ave no ar. Sua exclusiva articulação “solta” lhe permite desviar o vôo em qualquer ângulo; voar de cabeça para baixo; dar marcha a ré e não ir para a frente nem para trás, girando as asas em forma de oito. O beija-flor de chifres (Heliactin cornuta), do Espírito Santo, de Minas Gerais e Goiás, detém, de acordo com o Guiness, o recorde de velocidade em batimento de asas: 90 vezes num único segundo. Mesmo a média dos demais beija-flores, de 60, é impressionante. Tente agitar o dedo nessa velocidade: não dá para chegar nem perto.

Tudo isso precisa de muita energia e comida. Ótimo, para quem quer atraí-lo e mantê-lo por perto. Ele necessita sustentar músculos que pesam de um quarto a um terço do corpo – cerca de 50% a mais que as outras aves – , e um coração que palpita 480 vezes por minuto, em descanso, e estonteantes 1.260 em movimento. Resultado: um apetite voraz que o faz “beijar” mais de mil flores por dia para obter 6.660 calorias. Mas o consumo pode dobrar. No frio, por exemplo, para manter a temperatura normal do corpo em torno de 40 a 42°C. “Uma grama de beija-flor gasta num dia as calorias usadas em um mês, por um grama de elefante”, ilustra o professor titular de fisiologia do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, José Eduardo Bicudo. Até a digestão colabora. É a ave que mais assimila o que come: aproveita quase todo o açúcar do néctar e digere os insetos em menos de dez minutos. Não dá para falar dessa ave sem lembrar das flores, em especial as que desenvolveram um formato alongado em função dos próprios beija-flores (veja quadro Flores Atraentes). O néctar praticamente só é acessível aos bicos compridos deles e tem uma concentração de açúcar boa para eles ( 15 a 25%), mas fraca para as abelhas (buscam de 70 a 80%). Suas cores são as que eles melhor percebem. “Preferem as vermelhas, amarelas, alaranjadas, brancas e azuis, nessa ordem”, ensina Christian. Quase nunca são perfumadas, já que o olfato deles é fraco. Para evitar perfuração por predadores de bico curto que querem “roubar” o néctar, têm base reforçada e pétalas espessas. Curiosamente, entre esses predadores estão algumas espécies de beija-flores de bico curto.
Os beija-flores são também atraídos por flores de outras numerosas plantas, além das mencionadas. Ao sorver o néctar, promovem a polinização – deslocam o pólen do órgão masculino da flor até o órgão feminino dela, fecundando-a . Cinco segundos bastam. A língua, oca no centro, funciona como um canudo e dá velocidade à aspiração. Junto com o néctar, ingerem insetos. Em outras oportunidades, caçam esse alimento rico em proteínas.

PONTO DISPUTADO
A arte de atrair beija-flores passa pelas tradicionais garrafinhas com água açucarada. Elas têm forte poder de atração e a vantagem de serem facilmente colocadas o ano todo onde mais interessa. Funcionam até no 10° ou 12° andar. Disputadíssimas, alguns beija-flores as adotam como fonte exclusiva de alimentação e as freqüentam o dia inteiro. Os mais possessivos, tanto machos como fêmeas, “apoderam-se” delas e não permitem que “intrusos” se aproximem, mesmo que sejam da mesma espécie. Recomenda-se não mudar esses bebedouros de lugar para não provocar disputas agressivas. Até nas ocasiões em que as garrafinhas são retiradas para reabastecimento, os mais dependentes ficam voando por perto. Todo esse interesse provoca o aumento da população de beija-flores nas imediações.

O ideal é ofertar o máximo possível de flores, cujo néctar favorece a saúde do beija-flor pela oferta adicional de sais minerais, proteínas e vitaminas, além de atraírem os insetos, importante complemento alimentar. Só água com açúcar provoca deficiência nutricional. Quem não tem jardim pode mantê-las em vasos suspensos, como a Brinco-de-princesa que floresce quase o ano inteiro ou a Lanterna japonesa, sempre florida. Em apenas 1m2 de terra dá para plantar um pé de Grevilea-anã, arbusto que floresce quase o ano inteiro. “Cada pé corresponde a uma garrafinha de água com açúcar” , comenta Christian. “Forma uma ótima cerca-viva quando plantada a cada metro e meio.”

As garrafinhas ajudam a manter os beija-flores por perto nos períodos sem floração, quando há risco de desaparecerem temporariamente. Clima muito frio também causa afastamento. “No Brasil, as migrações em busca de variedade de flores ocorrem eventualmente no Sul e Sudeste nos invernos mais rigorosos”, esclarece Christian.” Comprovou-se que chegam a percorrer 300 quilômetros em direção ao litoral e Interior.” No Exterior, há notícias de deslocamentos grandes, como um entre o Alasca e o México, de 4,5 mil quilômetros. Nesses vôos, os beija-flores adotam velocidade média entre 30 a 70 quilômetros por hora e a máxima de 100. Outra causa de sumiço é o ataque de predadores diurnos como aves de rapina, serpentes, camaleões e, eventualmente, gatos que levam os beija-flores a procurar outras áreas.

NAMORO SHOW
O observador dos beija-flores, com um pouco de sorte, pode assistir ao espetáculo do namoro na primavera. O macho é capaz de se instalar em algum lugar e cantar por horas para atrair uma fêmea. Mas o som desse canto é muito agudo, dificilmente captado pelos ouvidos humanos. O show mesmo fica por conta do desafio entre machos. Competem entre si, exibindo a beleza e as habilidades no vôo e no canto. Quando um consegue chamar a atenção de uma pretendente, sua apresentação evolui. Faz vôos acrobáticos, canta e mostra a plumagem, até ela pousar e aceitar o acasalamento. A participação típica do macho na reprodução resume-se ao namoro. A maioria dos machos de algumas espécies dá uma demonstração especial de interesse, ainda durante a paquera: oferece o ninho prontinho, poupando a fêmea de um trabalho normalmente executado por ela.
O nome colibri, usado para o beija-flor, significa “área resplandecente” na língua dos índios Caraíbas. Refere-se aos tons metálicos que se alternam conforme o ângulo de incidência dos raios solares, efeito semelhante ao da madre-pérola, mais perceptível quando a iluminação é direta e vem de trás do observador. Basta um pequeno movimento para esse colorido deixar de aparecer. A plumagem normalmente combina três das seguintes cores: verde, vermelho, amarelo, branco, preto, laranja, lilás, cinza, marrom e azul. Em algumas variedades as cores vermelha e laranja são típicas dos machos adultos, mais coloridos que as fêmeas e machos jovens.
Os ninhos são de três tipos, conforme a espécie.

Um, em forma de tigela, é fixado em galhos – feito com folhas, paina, líquen, musgo e teia de aranha interligados com saliva. Outro, do tipo pendente ovalado, fica nas raízes de barrancos ou em fios elétricos e arames. Pode ser composto de raízes, crina e fibras. O terceiro, alongado, é instalado em folhas como as de palmeiras e samambaias. O ninho do beija-flor verbena (Mellisuga minima), da Jamaica, é o menor do mundo. Registrado no Guinness, tem cerca da metade do tamanho de uma noz. O menor ovo do mundo, lógico, é do mesmo beija-flor e também está no Guiness.
Os beija-flores botam dois ovos alongados e brancos, incubados por 12 a 15 dias. Os filhotes nascem com bico curto. Precisam de muitas proteínas. A mãe regurgita uma pasta de insetos e um pouco de néctar. Aos 20 ou 30 dias já saem do ninho. O beija-flor chega a viver até nove anos, mas a maioria não passa dos três a quatro devido ao desgaste físico, à escassez de alimentos e aos predadores.

SONO PROFUNDO
Uma característica menos perceptível é o sono do beija-flor. Ao escurecer, pousa num galho fino que possa ser agarrado por seus pés pequeninos a ponto de não permitirem andar. Para descansar tranqüilo, começa um ritual que visa economizar muita energia. Diminui gradativamente a temperatura corporal, dos 40 graus a algo próximo à do ambiente. Se atingir 15,6 graus, por exemplo, gasta cerca de 50 a 60 vezes menos energia. Uma redução como essa, de mais de 50%, seria fatal para o homem. O coração desacelera a 36 batidas por minuto. O sono profundo o torna presa fácil de corujas, gambás e serpentes. Mesmo porque demora até uma hora fazendo reaquecimento até alcançar os 30 graus de que necessita para voar. A maneira como se reaquece ainda não está definitivamente explicada.

“Sabemos, a princípio, que usa o tremor muscular”, ensina Bicudo. “Mas estudamos em laboratórios a hipótese de atuação conjunta de reações bioquímicas.”
Assim como algumas outras espécies de aves, os beija-flores passam por períodos de hibernação em regiões muito frias, tais como as próximas às cordilheiras nevadas dos Andes. “Até há pouco tempo, acreditava-se que o motivo era o esgotamento das reservas energéticas”, diz José Eduardo Bicudo. “Embora isso também seja verdade, o processo é mais complexo; mesmo bem alimentados podem entrar nesse torpor.”
Apesar de ser possível manter beija-flores em cativeiro, não há necessidade. A facilidade de atraí-los, a necessidade que têm de exercitar a musculatura e de voar em busca de néctar e insetos recomendam que a observação se restrinja aos exemplares em liberdade. Em casos que requerem o cativeiro, como nos zoológicos, o correto é que a área permita o vôo e abrigue uma boa variedade de plantas floríferas. “As dimensões mínimas de um viveiro são de 2 metros de frente por 2 de profundidade e 2 de altura, fechado com tela de vãos pequenos”, define Bicudo. “Nesse caso, deve-se manter vasos com flores, fazendo um rodízio para sempre estarem à disposição dos beija-flores”, explica o ornitólogo, doutor em zoologia pela Universidade de São Paulo, Herculano Alvarenga. “Pode-se complementar com cascas de banana que atraem drosófilas (mosquitinhos) e oferecer mel. As garrafinhas podem também ser oferecidas.
Como o beija-flor precisa de boa musculatura para o reaquecimento ao despertar, não deve ser submetido à vida sedentária de uma gaiola.

SEGREDOS DA GARRAFINHA
O preparo da água com açúcar exige alguns cuidados. Organizações americanas preservacionistas orietam ferver a água para esterilizá-la. A veterinária especializada em aves, Stella Maris Benez, alerta: “O cloro da água de torneiras é prejudicial, pois pode provocar gastroenterites (inflamação no estômago e intestinos)”. Quanto ao açúcar, Bicudo sugere o do tipo cristal. “É interessante por ser menos industrializado.” A mistura deve ser preparada diariamente (se posta na geladeira, deve ser usada no mesmo dia). Pode ser enriquecida com um suplemento alimentar com proteínas, vitaminas e sais minerais. Stella sugere o Aminosol, vendido em farmácias veterinárias (2 a 3 gotas pingadas na mistura, por garrafinha de 100ml). “O Gevral, vendido em farmácias também pode ser usado”, diz Herculano. Nada disso, porém, supre as necessidades do beija-flor. “Sem flores, poderá sobreviver apenas alguns meses.”
A fermentação da água com açúcar causa fungos (invisíveis a olho nu) que matam o beija-flor. Provocam infecção bucal e asfixia por inchaço da língua. Mel ou groselha não devem ser adicionados à mistura. Fermentam com maior rapidez. Deixe a garrafinha em local fresco, à sombra, para não acelerar a fermentação com o calor. Diariamente, jogue fora a sobra da mistura, enxágüe bem as garrafinhas e reabasteça-as. Para eliminar a formação de fungos nos recipientes, higienize-os duas vezes por semana. Limpe-os bem e mergulhe-os em água com água sanitária (uma parte de Cândida para 15 de água), por 30 minutos. A seguir, enxágüe bem para eliminar resíduos.

Coloque as garrafinhas a um metro de distância uma da outra. Água com açúcar atrai além de beija-flores, aves como Cambacicas, Saíras e Sanhaços. Caso apareçam, ponha um poleiro perto do bebedouro para facilitar a vida delas (não têm as mesmas habilidades do beija-flor). Há também as visitas indesejáveis de formigas, abelhas e moscas. O avanço maciço de arapuás (abelhas pretas que não picam, mas entram nos cabelos e na roupa) chega a afastar os beija-flores. Nesse caso, pode-se tirar as garrafinhas e colocá-las apenas dois dias por semana para tentar fazê-las encontrar outras fontes de alimento. Se não der certo, só restará queimar a colméia. Formigas dificultam o acesso do beija-flor ao bebedouro. Podem ser mantidas longe untando o barbante ao qual está pendurado com azeite ou graxa à base de petróleo. Garrafinhas com pratinho na base evitam que a água açucarada respingue no chão e crie um novo ponto de atração de insetos.

Fonte:http://planetabird.wordpress.com


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]Dicas Importantes:
- Clique no botão [Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]para escolher a melhor Resposta.
- Respeite as [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] e conheça as [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- Como abir um [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
- Curta a nossa página no Facebook
- Não peça suporte por MP

Davi Hemerly
Administrador
Administrador

Masculino
Sub-Nick : K2
Quantos pássaros você cria? : 2
Mensagens : 9779
Reputação : 868
Idade : 24
Data de inscrição : 04/09/2012
Localização : Vitória ES

Ver perfil do usuário http://www.nacaodospassaros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Tudo sobre o Beija-Flor

Mensagem por Reryson Colares em Sex Nov 09, 2012 10:51 am

Um dos pássaros mais lindos e mais interessantes!


Respeite as regras do fórum!!!
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Reryson Colares
Administrador
Administrador

Masculino
Sub-Nick : RC
Mensagens : 5855
Reputação : 562
Idade : 20
Data de inscrição : 12/09/2012
Localização : Fortaleza-ce

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Tudo sobre o Beija-Flor

Mensagem por Arthur Ferreira em Sab Nov 10, 2012 10:57 am

Muito interessante. study


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Arthur Ferreira
Criador experiente
Criador experiente

Masculino
Mensagens : 1398
Reputação : 153
Idade : 18
Data de inscrição : 11/09/2012
Localização : Salinas-MG

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Tudo sobre o Beija-Flor

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 3:35 am


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum